ÚLTIMAS NOTÍCIAS

SER IMITADOR - Por Jayro Caillo

“Os cristãos são retratos ambulantes de Deus” 

Thomas Watson 

O apóstolo Paulo trata com ênfase o assunto de imitação. Esta palavra tinha para ele uma grande importância, pois a encontramos oito vezes distribuídas em quatro de suas epístolas.

IMITAR OU CARICATURAR


Algumas pessoas por vezes me atribuíram a fama de bom imitador. Elas pensavam que pelo fato de fazê-las lembrar de alguém por algum gesto isolado, isto me classificaria como um imitador.

Não sabiam que era muito fácil concentrar um modesto esforço para reproduzir aparentemente algumas relevantes características.
Esta fama de imitador se dava porque muitos confundem caricatura com imitação. Enquanto caricaturar é uma representação burlesca, imitar é reproduzir exatamente ou tomar alguém ou algo como exemplo a ser reproduzido com bastante proximidade da originalidade.

Existem pessoas, principalmente as públicas que tem traços físicos, comportamentais e sonoros, bastante salientes, o que as torna destaques, diferenciando-as facilmente de outras. Há uma grande facilidade de se fazer caricaturas destes indivíduos, porém para os imitarmos, precisamos observá-los cuidadosamente, a fim de que, quando olharem para nós, não apenas se lembrem deles, mas sintam-se do seu próprio lado.

Para uma excelente imitação, seria necessário absorver o raciocínio do imitado, a fim de que a imitação seja natural e contagiante.

IMITADORES COMO FILHOS AMADOS
Thomas Watson disse: “Os cristãos são retratos ambulantes de Deus”.
Tenho pensado um pouco sobre o assunto de imitação do Senhor e confesso a minha decepção comigo mesmo.

Preciso transmitir Deus no meu dia a dia, mas para isto acontecer, preciso olhar mais para Ele, ouvi-lo falar, observar as suas ações e reações, em fim, preciso conviver mais com Ele, para que o seu conhecimento seja incorporado em minha vida e assim possa imitá-lo.

Quando Paulo escreveu aos efésios, disse que devemos ser imitadores de Deus como filhos amados. O apóstolo estava tratando sobre qual deve ser a motivação desta imitação. O filho que ama o pai tem orgulho de querer parecer-se como ele.

Quem já não teve a experiência de ter seu filho usando suas roupas, embora não lhe caibam ainda, ou calçando seus sapatos, ou ainda tentando copiar a maneira de andar, corte de cabelo, voz, ou hábitos outros? Isso também se dá por uma admiração por parte do filho que tem o seu pai como o seu super-herói, porém quando o filho passa a ter um senso crítico e descobrir as falhas humanas, a relação começa a tomar uma outra dimensão.

As decepções podem surgir por motivos das deficiências no caráter do pai e apesar do amor existir, aquele pai não ocupar mais a posição de modelo a ser imitado pelo filho.
Porém, quando nos referimos à relação entre Deus e seus filhos, há algo de diferente a considerar, é o fato de que Deus não tem falha.

Imagine um pai sem falhas por quem nutrimos um grande amor! Então por qual razão não temos nos tornado, imitadores de Deus? Talvez seja o fato de não conhecermos a Ele o suficiente ou tão pouco não termos amado a Ele o quanto deveríamos, e ao que me parece uma coisa está relacionada à outra.


“Não existe cristianismo, se este não for praticado”. John R. de Witt.
« ANTERIOR
PRÓXIMA »

Nenhum comentário

Postar um comentário

Sua colaboração e participação e FUNDAMENTAL para nosso trabalho!

Não deixe de COMENTAR!

Mas peço a compreensão de TODOS quanto às palavras a serem CITADAS e não utilizar como divulgação de outros Links redirecionando para páginas inadequadas caso contrário será arquivada como SPAM.

Recomendações de Blog's e outras páginas podem ser envidas para nosso e-mail: contato@blogdolucas.com

D'us esteja com você.